Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um veículo do Exército dos EUA que faz parte do sistema Terminal de Defesa Aérea de Alta Altitude (Thaad, na sigla em inglês) chega em Seongju, na Coreia do Sul. 26/04/2017 Kim Jun-beom/Yonhap via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Ju-min Park e Jack Kim

SEUL (Reuters) - Os militares dos Estados Unidos começaram nesta quarta-feira a posicionar partes de um sistema de defesa antimísseis no local onde será instalado na Coreia do Sul, desencadeando protestos de moradores de vilarejos e críticas da China, em meio a tensões sobre o desenvolvimento de armas da Coreia do Norte.

A antecipação da montagem do sistema Terminal de Defesa Aérea de Alta Altitude (Thaad, na sigla em inglês) também foi criticada pelo líder das pesquisas da eleição presidencial sul-coreana, que acontece em 9 de maio.

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul informou que elementos do Thaad foram levados ao local de instalação, que antes abrigava um campo de golfe e se localiza cerca de 250 quilômetros ao sul da capital Seul.

"A Coreia do Sul e os Estados Unidos vêm trabalhando para obter uma capacidade operacional antecipada do sistema Thaad em resposta ao avanço da ameaça nuclear e de mísseis da Coreia do Norte", disse o ministério em um comunicado.

A bateria deve estar habilitada até o final do ano, disse.

No ano passado, os EUA e a Coreia do Sul concordaram em acionar o Thaad em contraposição aos mísseis lançados por Pyongyang. Os dois aliados afirmam que seu único objetivo é ter uma defesa contra os norte-coreanos.

Mas a China diz que o radar avançado do sistema pode penetrar fundo em seu território e minar sua segurança, ao mesmo tempo em que fará pouco para conter o Norte, e se opõe a ele de maneira inflexível.

"A China exorta com firmeza os Estados Unidos e a Coreia do Sul a interromperem ações que agravam as tensões regionais e prejudicam os interesses de segurança estratégicos da China e a cancelarem a instalação do sistema Thaad e a retirar o equipamento", disse o porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang, em um boletim.

"A China irá adotar resolutamente os passos necessários para defender seus interesses", afirmou Geng, sem dar maiores detalhes.

Pequim é o único grande aliado da Coreia do Norte e é visto como crucial para os esforços liderados por Washington para refrear seu vizinho beligerante e isolado.

Os EUA começaram a levar os primeiros elementos do sistema à Coreia do Sul em março, depois que o Norte testou quatro mísseis balísticos.

Seul acusa os chineses de discriminar algumas empresas sul-coreanas que operam em seu solo por causa da montagem do sistema.

(Reportagem adicional de Ben Blanchard, em Pequim)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters