Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

AMMAN (Reuters) - O exército sírio recuperou a cidade estratégica de Soran, perto da província de Hama, na parte central da Síria ocidental, com uma ofensiva apoiada por fortes ataques aéreos russos, disseram rebeldes e moradores.

A maioria dos rebeldes retirou-se da cidade depois da invasão das tropas, na sequência de dezenas de ataques desde o amanhecer por jatos que acredita-se serem russos, incluindo as chamadas bombas de pára-quedas que também atacaram outras cidades da região, incluindo Latamneh e Kafr Zeita.

"Houve bombardeios histéricos que atacaram a cidade e toda a área e os rebeldes travaram batalhas ferozes até que foram forçados a sair", disse um rebelde, membro do grupo Jaish al Izza, que tem uma forte presença na província de Hama que pediu anonimato.

O exército foi auxiliado por milícias xiitas apoiadas pelo Irã que ampararam as forças do governo, afirmam os rebeldes.

O avanço do exército em Soran faz retroceder a maioria dos ganhos territoriais feitos por rebeldes, que incluem grupos jihadistas, depois de uma grande ofensiva no mês passado na província de Hama, no centro da populosa região ocidental do país.

Os rebeldes em retaliação dispararam dezenas de foguetes no aeroporto militar de Hama. Vídeos baixados em mídias sociais mostravam fumaça subindo de uma distância.

Jaish al Nasr, um grupo rebelde do Exército Sírio Livre, disse que atingiu o aeroporto com quarenta foguetes, levando a vários incêndios no complexo da base aérea.

Os rebeldes ainda mantêm a cidade estratégica de Morek, ao norte da cidade de Hama. Ela fica em uma estrada norte-sul principal crucial ao controle da Síria ocidental.

(Por Suleiman Al-Khalidi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters