Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em Washington. 19/01/2017 REUTERS/Joshua Roberts/File Photo

(reuters_tickers)

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, empossou na segunda-feira Steven Mnuchin, ex-banqueiro da Goldman Sachs e financiador de Hollywood, como secretário do Tesouro, colocando-o para trabalhar em reformas fiscais, desregulamentação financeira e esforços econômicos de diplomacia.

O Senado votou para confirmar Mnuchin com 53 votos a favor e 47 contra, com todos os democratas, exceto por um, se opondo à confirmação por conta dos milhares de despejos como chefe do OneWest Bank após o colapso imobiliário de 2007-2009.

Em cerimônia de posse na Casa Branca, Trump disse que Mnuchin será um "grande campeão" para cidadãos norte-americanos.

"Ele irá lutar por redução de impostos da classe média, reformas financeiras que abram empréstimos e criar milhões de novos empregos, e defender firmemente o dólar dos impostos dos americanos e sua segurança financeira", disse Trump. "E ele também irá defender nossos empregos de indústrias daqueles que traem e roubam."

Parlamentares, lobistas e grupos empresariais aguardavam a posse de Mnuchin para preencher diversas dúvidas sobre como ele irá buscar reformar fiscais e lidar com a cooperação econômica delicada com China, México e outros parceiros comerciais preocupados com a estratégia "América Primeiro" de Trump.

Mnuchin, de 54 anos, não deu detalhes de seus planos durante a posse.

"Estou comprometido em usar totais poderes deste escritório para criar mais empregos, combater atividades terroristas e financiamentos, e tornar a América grande de novo", disse Mnuchin.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters