Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - O ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos John Brennan disse nesta terça-feira que ficou claro no último ano que a Rússia estava tentando interferir na eleição presidencial norte-americana, e que ele avisou o chefe do FSB, o serviço de segurança da Rússia, que essa interferência afetaria os laços do país com os EUA.

"Deve ser claro para todos que a Rússia insolentemente interferiu no processo da nossa eleição presidencial de 2016 e que executaram essas atividades apesar de nossos fortes protestos e avisos explícitos para que não fizessem isso", disse Brennan em depoimento em uma audiência do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos.

Brennan disse acreditar ter sido a primeira autoridade norte-americana a levantar o assunto da interferência eleitoral com os russos, citando um telefonema que fez no dia 4 de agosto do ano passado com o chefe do FSB, Alexander Bortnikov.

Ele disse ter discutido reportagens publicadas pela mídia sobre tentativas da Rússia de influenciar a eleição com a autoridade russa, que negou qualquer envolvimento de Moscou.

Brennan disse que informou o então presidente Barack Obama e outras importantes autoridades, e que discutiu o assunto com líderes republicanos e democratas do Congresso em agosto e setembro.

(Reportagem de Patricia Zengerle e Doina Chiacu)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters