Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder destituído da Catalunha, Carles Puigdemont, durante coletiva de imprensa em Bruxelas, na Bélgica 31/10/2017 REUTERS/Eric Vidal

(reuters_tickers)

BRUXELAS/MADRI (Reuters) - O líder destituído da Catalunha, Carles Puigdemont, foi liberado da custódia nesta segunda-feira, quando um tribunal de Bruxelas determinou que ele poderia permanecer em liberdade na Bélgica até ouvir as acusações de rebelião da Espanha contra ele.

A decisão do tribunal significa que Puigdemont, que deixou a Espanha no mês passado depois que Madri destituiu seu governo separatista e dissolveu o Parlamento catalão, está livre para fazer campanha pela independência antes de uma eleição regional marcada para 21 de dezembro.

A eleição está tomando a forma de um referendo de independência de facto.

O Partido Democrata Europeu Catalão (PDeCat) de Puigdemont e outros partidos separatistas disseram no final de semana que podem concorrer com uma candidatura única, mas que precisarão tomar uma decisão sobre qualquer aliança formal --que também pode incluir outros partidos-- até terça-feira.

Entretanto, alianças também podem ser formadas após a eleição.

A tentativa de independência da Catalunha tem arrastado a Espanha para sua pior crise política desde seu retorno à democracia há quatro décadas e dividido profundamente o país, alimentando sentimentos anti-Espanha na Catalunha e tendências nacionalistas em outros lugares.

Puigdemont se entregou à polícia belga no domingo, junto com quatro de seus ex-ministros, depois que a Espanha emitiu mandados de prisão por rebelião e mal uso de recursos públicos.

Todos os cinco estão proibidos de deixar a Bélgica sem a autorização de um juiz.

"O próximo passo nos procedimentos é a aparição dos cinco réus ante a Câmara do Conselho dentro dos próximos 15 dias", disseram os promotores em comunicado.

(Reportagem de Foo Yun Chee e Paul Day)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters