Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-premiê da Tailândia Yingluck Shinawatra no aeroporto de Bangcoc. 23/07/2014 REUTERS/Athit Perawongmetha

(reuters_tickers)

BANGCOC (Reuters) - A ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra retornou para casa após uma viagem internacional, colocando fim à especulação de que não voltaria, à medida que promotores decidem se vão indiciá-la por má conduta em um programa de subsídio alimentar de arroz no país.

Yingluck chegou ao aeroporto Don Muang, em Bangcoc, perto da meia-noite de domingo, disse à Reuters seu assistente Wim Roongwattanajinda, acrescentando que os advogados dela estavam prontos para atuar no caso. 

Yingluck foi forçada pela Justiça a deixar o cargo em 7 de maio por abuso de poder, após transferir uma alta autoridade estatal. Os militares depuseram seu governo em um golpe em 22 de maio. 

Ela pode ser presa e banida da política se o caso do programa de arroz ir para a corte e ela for condenada de negligência. 

A Comissão Nacional Anti-Corrupção diz que o programa de compra de arroz, uma política que a ajudou a chegar ao poder em 2011, havia gerado bilhões de dólares em perdas, as quais ela fracassou em conter. Ela nega as alegações. 

O esquema efetivamente precificava o arroz tailandês fora do mercado de exportação, e o governo da premiê encontrou poucos compradores para as milhões de toneladas que foram parar nos armazéns do governo.

A comissão, na semana passada, apresentou suas conclusões para o procurador geral do país e recomendou o indiciamento de Yingluck. Promotores esperam decidir em 30 dias se avançarão com o caso.

Yingluck recebeu permissão da junta militar para ir à Europa para o aniversário de seu influente irmão, o ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, que está exilado desde 2008 para não ser preso por corrupção. 

Ela deixou a Tailândia em 23 de julho dizendo que voltaria em agosto.

Reuters