Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-premiê francês Manuel Valls. REUTERS/Charles Platiau

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Manuel Valls, que deixou o cargo de primeiro-ministro no governo socialista da França há um mês para concorrer na eleição presidencial deste ano, continua como favorito a vencer as primárias da esquerda neste mês, de acordo com uma pesquisa de opinião divulgada nesta quinta-feira.

Valls é visto como ganhador do primeiro turno, em 22 de janeiro, com 43 por cento, à frente do segundo colocado, Arnaud Montebourg, ex-ministro da Economia, com 25 por cento, e do terceiro colocado Benoit Hamon, com 22 por cento, mostrou a pesquisa da Harris Interactive encomendada para a France Televisions.

Dessa forma, ele pode seguir em frente para vencer a confirmação como candidato presidencial se superar um desses dois oponentes no segundo turno, em 29 de janeiro. A expectativa é que, nesta fase, tenha entre 55 e 57 por cento dos votos, de acordo com a pesquisa. Um resultado semelhante foi mostrado por outras pesquisas em dezembro. 

Pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de fato mostram Valls, que é amplamente associado ao impopular presidente François Hollande, com poucas chances de conquistar a Presidência da França.

O ex-premiê é visto em um distante quinto lugar, eliminado logo no primeiro turno, em 23 de abril. O segundo turno, em 7 de maio, seria vencido pelo conservador François Fillon sobre a candidata de extrema-direita Marine Le Pen, segundo as pesquisas. 

A pesquisa divulgada nesta quinta-feira foi feita online entre 2 e 4 de janeiro, com 6.245 pessoas em idade de voto, dos quais 478 eleitores registrados que disseram que irão definitivamente votar nas primárias da esquerda.

(Por Andrew Callus)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters