Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destróier da Marinha dos Estados Unidos John S. McCain, nas águas do Mar do Sul da China, em dezembro de 2010 REUTERS/Marinha dos Estados Unidos/Seaman Cheng S. Yang/Divulgação

(reuters_tickers)

Por Idrees Ali

WASHINGTON (Reuters) - Um destróier da Marinha dos Estados Unidos realizou uma "operação de liberdade de navegação" nesta quinta-feira, ficando a 12 milhas náuticas de uma ilha artificial construída pelos chineses no Mar do Sul da China, disseram autoridades dos EUA à Reuters.

A operação ocorreu no momento em que o governo do presidente Donald Trump busca a cooperação da China para lidar com os programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte e pode complicar os esforços para se chegar a uma postura comum.

As autoridades, que falaram sob condição de anonimato, disseram que o USS John S. McCain navegou perto do Recife Mischief, das Ilhas Spratly, em meio a uma série de ilhotas, recifes e bancos de areia. A China disputa a área com os vizinhos Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã.

Foi a terceira "operação de liberdade de navegação" conduzida durante a Presidência de Trump. Nem o Ministério da Defesa nem o Ministério das Relações Exteriores chineses responderam de imediato a um pedido de comentário.      

A operação foi a tentativa mais recente de Washington de se contrapor ao que vê como esforços de Pequim para limitar a liberdade de navegação nas águas estratégicas na ocasião em que Trump corteja a ajuda chinesa para conter os norte-coreanos.

As tensões aumentaram recentemente porque a Coreia do Norte realizou dois testes nucleares e dois testes de míssil balístico intercontinental no mês passado, dando ensejo a uma rodada de sanções duras da Organização das Nações Unidas (ONU) que revoltaram Pyongyang, que ameaçou dar aos EUA uma "lição severa".

Trump, por sua vez, respondeu alertando que a Coreia do Norte enfrentará "fogo e fúria" se ameaçar mais seu país.

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, emitiu um alerta ríspido aos norte-coreanos na quarta-feira, dizendo a Pyongyang que deve frear qualquer ação que possa levar ao "fim de seu regime e à destruição de seu povo".

Os EUA criticaram a China pela construção de ilhas e pelo aumento de instalações militares no mar, temendo que elas possam ser usadas para restringir a movimentação náutica livre.

Os militares norte-americanos argumentam há tempos que suas operações são realizadas em todo o mundo, inclusive em áreas reivindicadas por aliados, e que estas não têm relação com considerações políticas.

O governo Trump prometeu realizar operações mais robustas no Mar do Sul da China.

         (Reportagem adicional de Ben Blanchard em Pequim)

Reuters