Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante parada militar em Caracas 05/07/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

Por Matt Spetalnick

WASHINGTON (Reuters) - O governo do presidente norte-americano, Donald Trump, impôs sanções contra 13 autoridades do governo, Exército e a petroleira estatal PDVSA da Venezuela nesta quarta-feira, buscando pressionar o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a abandonar os planos de um controverso novo Congresso, disseram autoridades dos Estados Unidos.

Os EUA decidiram mirar em indivíduos por supostos abusos de direitos humanos e corrupção, que estariam minando a democracia, poupando o país, por enquanto, de sanções financeiras ou setoriais mais amplas contra sua vital indústria de petróleo --embora tais ações ainda estejam sendo consideradas, disseram as autoridades à Reuters, sob a condição de anonimato.

A ação tem como objetivo mostrar ao governo socialista de Maduro que Trump está preparado para cumprir sua ameaça de "ações econômicas fortes e rápidas" se a Venezuela seguir em frente com planos de uma votação no domingo para estabelecer uma Assembleia Constituinte que, segundo críticos, consolidará Maduro como um ditador, afirmaram as autoridades.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos planeja anunciar as sanções mais tarde, acrescentaram as fontes.

(Reportagem adicional de Patricia Zengerle)

Reuters