Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante coletiva de imprensa na Casa Branca, em Washington, EUA 28/08/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) proporá revogar o Clean Power Plan --a principal regulação do governo Obama para combater mudanças climáticas-- e planeja dar entrada em uma regra para substitui-lo, segundo um documento da EPA visto pela Reuters.

A decisão marca o primeiro passo formal da agência para acabar com a regra que pretendia cortar emissões de carbono de usinas de energia, após o presidente Donald Trump assinar uma ordem executiva em março lançando a revisão da EPA.

O presidente republicano expressou dúvidas sobre o que diz a ciência a respeito de mudanças climáticas e culpou os esforços para reduzir emissões do ex-presidente democrata Barack Obama, dizendo que eles abalaram as indústrias de mineração de carvão e perfuração para petróleo.

O Clean Power Plan, ou CPP, foi desafiado nos tribunais por 27 Estados após ser lançado pela administração Obama em 2015. Ele está atualmente suspenso pelo Tribunal de Apelações, que estabeleceu um prazo até sexta-feira para um relatório de status da EPA sobre como ela planeja proceder.

O documento, distribuído a membros do Comitê Diretivo Regulatório da agência, disse que a EPA está "publicando uma proposta para revogar a lei".

A agência agora pretende publicar o que chama de Anúncio Prévio da Proposta de Elaboração de Regras, uma vez que está considerando "desenvolver um lei com intenção similar para reduzir as emissões de C02 de unidades geradoras de energia elétrica a partir de combustíveis fósseis".

(Por Valerie Volcovici)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters