Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump durante evento na ONU 19/9/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Karen Freifeld e Ginger Gibson

NOVA YORK (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está usando dinheiro doado para sua campanha eleitoral e recursos do Comitê Nacional Republicano para pagar seus advogados que atuam na investigação sobre suposta interferência russa na eleição norte-americana, segundo duas pessoas familiarizadas com o assunto.

A Comissão Federal Eleitoral dos EUA permite o uso de recursos privados de campanha para pagar contas jurídicas que surjam do fato de a pessoa ter sido candidata ou eleita.

Embora anteriormente candidatos tenham usado esses recursos para pagar por questões jurídicas rotineiras, Trump se tornaria o primeiro presidente dos EUA na era moderna de financiamento de campanhas a usar esse dinheiro para cobrir os custos de responder a uma investigação criminal, disseram especialistas em direito eleitoral.

Uma pessoa familiarizada com o assunto disse que os primeiros pagamentos, em um montante que a Reuters não pode determinar, já foram feitos e serão divulgados publicamente. A pessoa não explicou como esses custos serão contabilizados entre a campanha e o comitê republicano.

O Comitê Nacional Republicano deve publicar seus gastos de agosto na quarta-feira e a campanha de Trump deve fazer divulgação semelhante em 15 de outubro.

John Dowd, advogado principal de Trump, se recusou a dizer como as despesas jurídicas do presidente estão sendo pagas, acrescentando: "Isso não é da conta de vocês".

Um porta-voz do Comitê Nacional Republicano se recusou a comentar, mas disse que o comitê já pagou despesas jurídicas não especificadas, mas não relacionadas à Rússia, para a campanha.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters