Reuters internacional

Soldado venezuelano pratica em um simulador de artilharia antiaérea como parte de um exercício de defesa militar em conjunto com o público em Caracas. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Girish Gupta

CARACAS (Reuters) - A Venezuela possui 5 mil mísseis terra-ar do tipo Manpads fabricados na Rússia, de acordo com um documento militar analisado pela Reuters, o maior estoque conhecido na América Latina e uma fonte de preocupação para as autoridades dos Estados Unidos em um momento de tumulto crescente no país produtor de petróleo.

O governo socialista da Venezuela usa há tempos a ameaça de uma invasão "imperialista" dos Estados Unidos para justificar um reforço no armamento. Grande parte do arsenal foi obtido da Rússia pelo falecido presidente venezuelano Hugo Chávez, cujo período no poder durou de 1999 até sua morte em 2013.

Os mísseis que podem ser operados por uma única pessoa, já que são lançados apoiados no ombro, representam uma ameaça séria a aeronaves comerciais e militares.

Especialistas em armamento dizem que há tempos se teme que as armas possam ser roubadas, vendidas ou de alguma maneira direcionadas a mãos erradas, uma preocupação exacerbada pelos confrontos civis em curso na Venezuela e pela crise econômica que abala a nação produtora de petróleo.

De acordo com uma apresentação militar venezuelana testemunhada pela Reuters, o país sul-americano tem 5 mil mísseis SA-24 do tipo sistema de defesa aérea de uso portátil (Manpads, na sigla em inglês), também conhecidos como Igla-S.

O documento visto pela Reuters oferece o relato mais completo até o momento do arsenal de armas. Registros públicos de armas confirmam o grosso dos números vistos na apresentação militar.

O governo da Venezuela e autoridades militares não responderam a pedidos de comentário sobre a informação.

Reuters

 Reuters internacional