Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CABUL (Reuters) - Pelo menos 13 pessoas, incluindo soldados e civis afegãos, morreram e outras 18 ficaram feridas neste domingo com a explosão de um carro-bomba na província de Helmand, no sul do Afeganistão, disseram autoridades.

Omar Zwak, o porta-voz do governo de Helmand que anunciou o número de vítimas, disse que o ataque ocorreu em um mercado de Nawa, distrito no centro da província onde tem ocorrido pesados confrontos entre as forças do governo e militantes talibans nas últimas semanas.

As forças afegãs disseram ter retomado o distrito de Nawa em julho, mas a área permanece em contínuo conflito desde então.

Até o momento, ninguém assumiu a responsabilidade pelo ataque deste domingo, nem houve qualquer manifestação do Taliban, que tem promovido sucessivos ataques suicidas em Helmand, onde controla a maior parte do território ao redor da capital Lashkar Gah.

Um hospital administrado pelo grupo italiano de ajuda humanitária Emergency, em Lashkar Gah, disse ter recebido três mortos e 19 feridos, enquanto o Bost, um outro hospital, disse ter recebido 10 feridos.

Não ficou claro se algum ferido morreu após chegar ao hospital.

O ataque ocorre dias após um homem-bomba ter se explodido em Lashkar Gah, matando ao menos sete pessoas e ferindo outras 40, enquanto o Taliban se esforça para restabelecer um regime islâmico sobre o Afeganistão e expulsar as forças estrangeiras que apoiam o governo de Cabul.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na semana passada uma campanha militar mais intensa contra os insurgentes do Taliban, que têm ganhado terreno no Afeganistão desde que uma coalizão liderada pela Otan encerrou sua missão de combate no país, em 2014.

(Reportagem de Mohammad Stanekzai e Mirwais Harooni)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters