Reuters internacional

Polícia forense da Tailândia carrega evidências enquanto deixa cena de explosão do hospital Phramongkutklao, em Bangcoc. 22/05/2017 REUTERS/Athit Perawongmetha

(reuters_tickers)

Por Aukkarapon Niyomyat

BANGCOC (Reuters) - A explosão de uma bomba em um hospital de Bangcoc, capital da Tailândia, feriu 24 pessoas nesta segunda-feira, o terceiro aniversário do golpe militar de 2014.

Ninguém assumiu a responsabilidade pela explosão no Hospital Phramongkutklao, que é popular entre soldados e seus familiares e militares aposentados.

"Foi uma bomba. Encontramos os pedaços que foram usados para fazer a bomba", disse Kamthorn Aucharoen, comandante da equipe de arsenal de explosivos da polícia, à Reuters, acrescentando que não está claro quem está por trás do ataque.

"Neste momento as autoridades estão verificando as câmeras do circuito fechado", disse Kamthorn.

O porta-voz do governo, Sansern Kaewkamnerd, informou que 24 pessoas ficaram feridas. A maioria foi atingida por estilhaços de vidro, segundo a unidade de segurança nacional dos militares.

A suspeita deve recair sobre os dissidentes políticos que se opõem ao governo militar ou sobre separatistas muçulmanos sediados no sul do país predominantemente budista.

Soldados isolaram a entrada do hospital, relatou um repórter da Reuters no local.

O vice-chefe da polícia nacional, general Srivara Rangsibrahmanakul, disse que a bomba foi escondida em um contêiner junto à entrada da farmácia.

Esta segunda-feira marca o aniversário do golpe militar de 22 de maio de 2014, que depôs um governo eleito democraticamente e encerrou meses de tumultos, incluindo manifestações de rua que chegaram a deixar vítimas fatais.

Reuters

 Reuters internacional