Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Polícia forense da Tailândia carrega evidências enquanto deixa cena de explosão do hospital Phramongkutklao, em Bangcoc. 22/05/2017 REUTERS/Athit Perawongmetha

(reuters_tickers)

Por Aukkarapon Niyomyat

BANGCOC (Reuters) - A explosão de uma bomba em um hospital de Bangcoc, capital da Tailândia, feriu 24 pessoas nesta segunda-feira, o terceiro aniversário do golpe militar de 2014.

Ninguém assumiu a responsabilidade pela explosão no Hospital Phramongkutklao, que é popular entre soldados e seus familiares e militares aposentados.

"Foi uma bomba. Encontramos os pedaços que foram usados para fazer a bomba", disse Kamthorn Aucharoen, comandante da equipe de arsenal de explosivos da polícia, à Reuters, acrescentando que não está claro quem está por trás do ataque.

"Neste momento as autoridades estão verificando as câmeras do circuito fechado", disse Kamthorn.

O porta-voz do governo, Sansern Kaewkamnerd, informou que 24 pessoas ficaram feridas. A maioria foi atingida por estilhaços de vidro, segundo a unidade de segurança nacional dos militares.

A suspeita deve recair sobre os dissidentes políticos que se opõem ao governo militar ou sobre separatistas muçulmanos sediados no sul do país predominantemente budista.

Soldados isolaram a entrada do hospital, relatou um repórter da Reuters no local.

O vice-chefe da polícia nacional, general Srivara Rangsibrahmanakul, disse que a bomba foi escondida em um contêiner junto à entrada da farmácia.

Esta segunda-feira marca o aniversário do golpe militar de 22 de maio de 2014, que depôs um governo eleito democraticamente e encerrou meses de tumultos, incluindo manifestações de rua que chegaram a deixar vítimas fatais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters