Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Paramédicos ajudam a socorrer ferido em local da explosão em Kiev 25/10/2017 REUTERS/Maria Zavialova

(reuters_tickers)

KIEV (Reuters) - Uma explosão em Kiev nesta quarta-feira matou um segurança e feriu três outras pessoas, incluindo o parlamentar ucraniano Ihor Mosiychuk, disseram autoridades ucranianas, descrevendo o incidente como um ataque deliberado.

Mosiychuk, um membro da oposição, do partido nacionalista Radical, foi levado ao hospital, mas não sofreu ferimentos que coloquem sua vida em risco, de acordo com o líder do partido, Oleh Lyashko.

O assessor do Ministério do Interior Zoryan Shkiryak disse que investigadores estavam no local do incidente, onde parecia que uma moto havia explodido perto da entrada de uma emissora de TV.

“No total, quatro pessoas ficaram feridas na explosão. Infelizmente, uma não pôde ser salva. Ele morreu a caminho do hospital dos ferimentos que sofreu”, disse.

A porta-voz da Polícia de Kiev Oksana Blyshchyk disse às 17h05, no horário de Brasília, que autoridades haviam recebido informações sobre uma explosão de carro no distrito de Solomensky, em Kiev.

Não houve comentários imediatos da polícia sobre possíveis suspeitos ou uma motivação para o ataque.

O parlamentar do partido Radical Evhen Deidei publicou fotos em sua página no Facebook que mostravam uma motocicleta queimada na frente de um veículo atingido pela explosão. “Julgando pelo dano ao carro e pelos buracos de estilhaços nas portas, a potência da explosão foi bem forte”, disse.

“Há muito sangue nas escadas, onde Ihor estava no momento da explosão”.

O assessor do Ministério do Interior disse que o analista político Vitaliy Bala foi um dos três feridos na explosão.

(Reportagem de Natalia Zinets)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters