Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Palestinos caminham diante de prédios destruídos na Cidade de Gaza. 06/08/2014 REUTERS/Finbarr O'Reilly

(reuters_tickers)

(Reuters) - A Federação Internacional de Tênis (ITF) disse a Israel nesta quinta-feira que o país não poderá sediar o confronto da Copa Davis contra a Argentina em Tel Aviv, no próximo mês, devido a preocupações com segurança causadas pelo conflito na Faixa de Gaza.

A entidade que comanda o tênis mundial afirmou que "embora o conflito militar pareça estar diminuindo, não há certeza de que este será o caso no momento do confronto, que vai acontecer em cinco semanas".

O comitê da Copa Davis declarou em um comunicado que "sua primeira prioridade é garantir a segurança dos jogadores, autoridades e do público, e infelizmente decidiu que o confronto não será realizado em Israel como previsto originalmente."

Israel recebeu prazo até a próxima quinta-feira para designar um local alternativo para sediar as partidas, de 12 a 14 setembro. Locais na Europa Oriental, Estados Unidos ou Canadá são vistos como possíveis opções, disse um porta-voz da Associação de Tênis de Israel.

Os combates de um mês entre as forças israelenses e os militantes islâmicos na Faixa de Gaza acalmaram nos últimos dias. Autoridades no Cairo estão tentando estender um cessar-fogo inicial de 72 horas, que vai terminar às 8h de sexta-feira (2h no horário de Brasília).

Autoridades de Gaza disseram que a guerra já matou 1.874 palestinos, a maioria civis. Israel afirma que 64 de seus soldados e três civis foram mortos desde o início do conflito, em 8 de julho.

Na segunda-feira, um torneio da ATP em Israel, programado para 15 a 21 de setembro, foi cancelado pelo órgão responsável pelo tênis por causa dos combates em Gaza.

(Reportagem de Ori Lewis em Jerusalém)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters