Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto de Dulce Garcia, uma advogada de 34, que imigrou para os Estados Unidos do México quando tinha 4 anos de idade 06/2016 Cortesia de Dulce Garcia/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Dan Levine

SAN FRANCISCO (Reuters) - Dulce Garcia, uma advogada de San Diego, já defendeu muitos clientes em casos de imigração. Agora é ela quem busca o amparo da lei.

Levada pelos pais aos Estados Unidos ilegalmente, Dulce é uma de seis imigrantes que processaram o governo do presidente norte-americano, Donald Trump, nesta segunda-feira, devido à decisão do governo de encerrar o programa Daca.

Desde que foi autorizado em 2012 pelo então presidente Barack Obama, o Daca garantiu proteção contra deportações e o direito de trabalhar legalmente a quase 800 mil jovens.

O caso de Dulce, apresentado ao tribunal federal de San Francisco, é o primeiro a ser aberto por beneficiários do Daca, conhecidos como "dreamers" (sonhadores), desde que o secretário de Justiça dos EUA, Jeff Sessions, anunciou no início deste mês que a política da era Obama começará a ser revogada em março de 2018, de acordo com os advogados de Dulce.

Seu processo é uma das várias ações civis que questionam a decisão de encerrar o Daca, que incluem dois casos abertos por procuradores-gerais estaduais.

Os argumentos legais, entre eles o de Dulce, são parecidos: que o governo Trump não cumpriu os procedimentos administrativos apropriados para rescindir o Daca, e que prometer o cumprimento para um grupo de pessoas e depois revogá-lo viola o devido processo legal.

O governo Trump disse que acabou com o Daca porque Obama extrapolou sua autoridade constitucional ao ignorar o Congresso e criar o Daca unilateralmente. Trump pediu que o Congresso aprove uma lei que proteja beneficiários do Daca, e na semana passada irritou alguns de seus colegas republicanos ao negociar com os principais líderes democratas do Congresso a respeito de uma possível legislação.

Durante a campanha presidencial de 2016 Trump adotou uma postura rígida quanto à imigração, prometendo encerrar o Daca e fortalecer a segurança na fronteira para aumentar os empregos para os norte-americanos.

Filha de uma camareira de hotel e um soldador, Dulce foi do México para o sul da Califórnia aos 4 anos. Alguns anos depois, contou, sua família foi expulsa do apartamento porque a propriedade continha habitações ilegais.

Seu caso e o de outros beneficiários do Daca podem ser julgados junto com dois outros casos sobre o programa apresentados separadamente em San Francisco, um da Universidade da Califórnia e outro de um grupo de procuradores-gerais estaduais liderados pelo representante californiano, Xavier Becerra.

Outro grupo, liderado por Eric Schneiderman, procurador-geral de Nova York, entrou com um processo relativo ao Daca em um tribunal federal do Brooklyn em 6 de setembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters