Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) seguram armas no norte da cidade de Raqqa. 03/02/2017 REUTERS/Rodi Said

(reuters_tickers)

Por Rodi Said

HUKOUMIYA, Síria (Reuters) - As Forças Democráticas da Síria (FDS), que têm apoio dos Estados Unidos, comunicaram nesta terça-feira que iniciaram uma batalha para capturar Raqqa, a capital de facto do Estado Islâmico na Síria, aumentando a pressão sobre os jihadistas, cujo califado autoproclamado em partes da Síria e do Iraque está diminuindo.

O porta-voz das FDS, Talal Silo, disse à Reuters que a operação começou na segunda-feira e que os combates serão "ferozes porque o Daesh (Estado Islâmico) irá morrer para defender sua assim chamada capital".

A ofensiva será simultânea às etapas finais do ataque auxiliado pelos EUA para recapturar a cidade iraquiana de Mosul do Estado Islâmico e vem na esteira de meses de avanços das FDS, que incluem milícias árabes e curdas, rumo ao norte, leste e oeste de Raqqa.

O Estado Islâmico capturou Raqqa de grupos rebeldes em 2014 e vem usando a cidade como base de operações para planejar ataques contra o Ocidente. Silo disse que a operação começou no norte, leste e oeste da cidade, que é delimitada ao sul pelo rio Eufrates.  

"A coalizão tem um grande papel no sucesso das operações. Além dos aviões de guerra, há forças da coalizão trabalhando lado a lado com as FDS", disse Silo por telefone da região de fazendas de Hukoumiya, 10 quilômetros ao norte de Raqqa, onde mais tarde as FDS declararam o início do ataque.

Uma testemunha da Reuters no local conseguiu ouvir o som de um bombardeio intenso e de ataques aéreos ao longe.

O comandante da campanha de Raqqa, Rojda Felat, disse à Reuters que um ataque teve início no distrito de Al-Mushleb, nos arredores do sudeste da cidade, confirmando um relato anterior do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

O Observatório disse que as FDS capturaram alguns edifícios na área de Al-Mushleb e que também atacaram um acampamento militar, a Divisão 17, nas cercanias do norte de Raqqa. O grupo de monitoramento sediado no Reino Unido relatou ataques aéreos e de artilharia intensos.

As FDS, que incluem a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo), vêm cercando Raqqa desde novembro em uma ofensiva apoiada pela coalizão liderada pelos EUA, que também está combatendo o Estado Islâmico no Iraque.

A coalizão disse que se acredita que entre 3 mil e 4 mil combatentes do grupo extremista estejam entrincheirados na cidade de Raqqa, onde montaram defesas contra o ataque iminente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters