Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Iraquianos deixam suas casas durante batalhas de forças do Iraque contra militantes do Estado Islâmico no oeste de Mosul. 07/03/2017 REUTERS/Zohra Bensemra

(reuters_tickers)

Por Isabel Coles e John Davison

MOSUL, Iraque (Reuters) - Forças do Iraque empenhadas em expulsar o Estado Islâmico do oeste da cidade de Mosul recapturaram nesta terça-feira o principal edifício do governo, a sede local do Banco Central, e o museu onde os militantes destruíram estátuas e artefatos três anos atrás.

Os prédios do governo haviam sido destruídos e não estavam sendo usados pelo Estado Islâmico, mas ainda assim sua captura representou uma vitória simbólica na batalha contra o último grande bastião dos militantes radicais no Iraque.

A unidade de elite Reação Rápida avançou sobre o prédio do governo e o complexo governamental de Nínive em uma operação ocorrida de segunda para terça-feira, disse o porta-voz da unidade, tenente-coronel Abdel Amir al-Mohammadawi.

A equipe também tomou um edifício que abrigava o principal tribunal do Estado Islâmico, conhecido por penas severas como apedrejamentos, atirar pessoas do teto de prédios e cortar suas mãos, um reflexo da ideologia extrema do grupo.

"Eles mataram dezenas do Daesh", disse Mohammadawi, referindo-se a um dos acrônimos árabes do Estado Islâmico. A operação durou mais de uma hora.

Os militantes saquearam o Banco Central quando dominaram a cidade em 2014 e filmaram a si mesmos destruindo estátuas e artefatos.

O tráfico ilegal de antiguidades que abunda no território sob seu controle, dos sítios arqueológicos de Palmira, na Síria, a Nínive, no Iraque, era uma das maiores fontes de renda do Estado Islâmico.

O avanço abre caminho para as forças iraquianas auxiliadas pelos Estados Unidos atacarem os extremistas na cidade velha de Mosul, a fase mais complicada da campanha de quase cinco meses devido à densidade da população e às vielas estreias, além do fato de os militantes estarem entrincheirados entre os civis.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters