Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jovem tira selfie com o tenente-general Abdelwahab al-Saadi no bairro de Baladiyat, no leste de Mosul. 09/01/2017 REUTERS/Kheled Al-Remehi

(reuters_tickers)

Por Stephen Kalin e Isabel Coles

MOSUL, Iraque (Reuters) - Forças especiais iraquianas fizeram novos avanços contra o Estado Islâmico em Mosul nesta segunda-feira, expulsando militantes de outro distrito do leste da cidade e ficando perto de se conectarem com outras unidades do Exército nas proximidades, disseram autoridades. 

O serviço de antiterrorismo informou estar trabalhando para tomar áreas  próximas da Universidade de Mosul, no nordeste da cidade, após ter tomado controle de um distrito próximo.

Os avanços deixaram mais partes do leste de Mosul nas mãos de forças iraquianas, um dia após unidades de elite terem chegado ao rio Tigre, em uma ofensiva apoiada pelos EUA para expulsar o Estado Islâmico de seu último bastião urbano no país.

Chegar ao rio, que divide o centro da cidade, vai permitir que forças iraquianas iniciem ofensivas nos distritos ocidentais, ainda mantidos pelos rebeldes. 

Os jihadistas têm lutado ferrenhamente com carros-bomba e atiradores de elite. Utilizando uma rede de túneis e operando próximos à população civil, eles atrasaram os avanços iraquianos em novembro e dezembro. Ao mesmo tempo, o Estado Islâmico também matou dezenas de iraquianos em ataques em Bagdá e outras cidades.

“A (captura da) vizinhança de Baladiyat está completa e Sukkar deve estar ao anoitecer”, disse o major-general Sami al-Askari a um repórter da Reuters em Mosul. 

“Esta área é muito importante porque fica de frente à universidade. É um distrito central... se cair, nós controlaremos as florestas, os palácios presidenciais e a margem leste do Tigre”, acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters