Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - Aviões de guerra liderados pelos Estados Unidos impediram que um comboio de combatentes do Estado Islâmico e suas famílias alcançasse territórios que o grupo controla no leste da Síria e alvejaram um grupo de companheiros que viajava para encontrá-los, informou um porta-voz da coalizão.

Os ataques almejaram frustrar um acordo de retirada, acertado pelo grupo libanês Hezbollah e o Exército da Síria, para militantes do Estado Islâmico saírem de seu enclave na fronteira sírio-libanesa rumo a áreas que comandam no leste sírio.

Ele é parte de um cessar-fogo combinado depois de ofensivas realizadas na semana passada pelo Exército libanês em uma frente e o Hezbollah e o Exército sírio em outra que forçaram o Estado Islâmico a recuar para uma parte pequena de seu enclave que se estende sobre a fronteira.

O acordo foi criticado pela coalizão e pelo Iraque, cujo Exército também está combatendo o Estado Islâmico em áreas contíguas à região do leste sírio para a qual o comboio seguia.

Os ataques da coalizão encabeçada pelos EUA realizados nesta quarta-feira para deter o comboio ocorreram ao leste de Humeima, no sudeste da Síria, perto do limite de terra controlado pelo governo sírio, disse o porta-voz da coalizão, Ryan Dillon, à Reuters.

"Abrimos crateras na estrada e destruímos uma ponte pequena para evitar que esse comboio fosse mais para o leste", explicou ele à Reuters por telefone.

Mais tarde ele disse que a coalizão atacou veículos transportando combatentes do Estado Islâmico que rumavam para aquela área partindo de uma região mais distante do território que controlam no leste.

(Por Sarah Dadouch e Angus McDowall)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters