Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Militante das Forças Democráticas da Síria (FDS) observa um comboio de suas forças avançando no norte da cidade de Raqqa, na Síria 05/02/2017 REUTERS/Rodi Said

(reuters_tickers)

BEIRUTE (Reuters) - Milícias da Síria apoiadas pelos Estados Unidos disseram na quinta-feira que têm forças suficientes para capturar a cidade de Raqqa do Estado Islâmico com auxílio da coalizão liderada por Washington, reiterando oposição à participação da Turquia no ataque.

Raqqa é a principal base de operações do Estado Islâmico na Síria, e a campanha de reconquista apoiada pelos EUA está sendo reforçada pela chegada de uma unidade de artilharia de fuzileiros navais norte-americanos.

Nos últimos dias as Forças Democráticas da Síria (FDS), que incluem a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo) e grupos árabes, interditaram a estrada que parte de Raqqa para a província de Deir al-Zor, bastião do Estado Islâmico, e que era a última grande rota para fora da cidade.

Profundamente preocupada com a influência do YPG, a Turquia está pressionando Washington para participar da investida final sobre Raqqa.

As FDS dizem ter descartado qualquer papel turco durante reuniões com autoridades dos EUA no mês passado, embora a Turquia tenha afirmado na quinta-feira que nenhuma decisão ainda foi tomada, e a coalizão disse que uma possível participação turca continua sendo um tema em discussão.

"O número de nossas forças está crescendo agora, particularmente entre as pessoas da área, e temos força suficiente para libertar Raqqa com apoio das forças da coalizão", disse Jihan Sheikh Ahmed, uma porta-voz das FDS.

A Turquia vê as YPG como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo), uma insurgência que combate o governo turco há três décadas.

Ainda na quinta-feira um porta-voz das SDF disse à Reuters que espera que as forças cheguem aos arredores da cidade dentro de algumas semanas. Suas unidades começaram a cercar Raqqa em novembro.

"Temos informação de que o inimigo está retirando parte de sua liderança da cidade, e também está cavando túneis subterrâneos. Acreditamos que eles irão fortificar a cidade e que o grupo terrorista irá depender de combates nas ruas", disse Ahmed.

As FDS e as YPG vêm sendo as principais parceiras dos EUA em sua campanha contra o Estado Islâmico na Síria. A coalizão encabeçada pelos norte-americanos vem proporcionando apoio aéreo e enviou forças especiais ao território sírio para ajudar a campanha contra os jihadistas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters