Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

ROMA (Reuters) - O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, descartou na quarta-feira antecipar as eleições, rejeitando um alerta do presidente do Senado de que a divisão no governo ameaçava sua capacidade de permanecer no poder.
"Estou surpreso de ver relatos que parecem que eleições antecipadas são iminentes", disse Berlusconi em comunicado. "Nunca considerei nada do tipo".
Ele prometeu que seu governo de centro direita continuaria no poder até o restante do mandato, que expira em 2013.
Analistas falavam de um clima de nervosismo na coalizão governista, dizendo que problemas jurídicos e pessoais de Berlusconi enfraqueceram seu controle sobre os aliados.
Os rumores atingiram o auge na noite de terça-feira, quando o presidente do Senado italiano, Renato Schifani, disse em discurso que a menos que a coalizão cuide de suas rixas internas, o governo não iria sobreviver até o final de seu mandato.
A declaração de Schifani foi manchete de todos os jornais italianos na quarta-feira, e os analistas disseram que elas indicavam a possibilidade de eleições antecipadas, principalmente porque Schifani é o segundo na hierarquia institucional da Itália, depois do presidente.
Berlusconi deve voltar aos tribunais em dois julgamentos por corrupção, este mês e em janeiro. Ele perdeu sua imunidade em outubro, quando a Corte Suprema da Itália viu como inconstitucional uma lei aprovada por seu governo.
(Reportagem de Philip Pullella)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters