Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PARIS, Aug 11 (Reuters) - A França considera inaceitável proposta da Comissão Europeia de excluir os portos franceses do redirecionamento de um corredor estratégico de comércio entre a Irlanda e o continente europeu, depois do Brexit, disse o governo.

No momento, muito do comércio irlandês com o continente é realizado via caminhões britânicos. No entanto, a menos de oito meses da consumação da saída do Reino Unido da União Europeia do bloco, há pouca clareza sobre o futuro de suas relações comerciais com a UE ou sobre a natureza da fronteira da Irlanda com a província britânica da Irlanda do Norte.

A nova rota apresentada pela Comissão conectaria a Irlanda, por mar, com portos holandeses e belgas, inclusive Zeebrugge e Roterdã. Portos franceses, como Calais e Dunkirk seriam ignorados.

“França e Irlanda mantêm canais comerciais importantes, tanto por terra, via Reino Unido, quanto por rotas marítimas. A proximidade geográfica entre Irlanda e França cria uma óbvia conexão com o mercado único”, escreveu a ministra dos Transportes da França, Elisabeth Borne, em uma carta para o comissário de transportes da União Europeia, em 10 de agosto.

“Surpreendentemente, a proposta da Comissão não leva isso em conta. Essa proposta não é aceitável para a França.”

Em jogo estão empregos, milhões de dólares de faturamento de portos e a possibilidade de financiamento da UE em infraestrutura.

Borne disse que portos franceses têm os recursos necessários para garantir que consigam lidar com o provável aumento de demanda, referindo-se a preocupações de congestionamento de portos como Calais, o porto de passageiros mais movimentado da França.

(Por Richard Lough)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters