Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldado francês trabalha em frente à Torre Eiffel, em Paris 01/11/2017 REUTERS/Christian Hartmann

(reuters_tickers)

Por Christian Hartmann

PARIS (Reuters) - Dois anos depois que militantes islâmicos mataram 130 pessoas em ataques coordenados em Paris, a França oficialmente pôs fim ao estado de emergência, o substituindo pela introdução de uma nova lei de segurança que críticos afirmam comprometer liberdades civis.

A nova lei antiterrorismo, que entra em vigor nesta quarta-feira, concede à polícia poderes ampliados para realizar buscas em propriedades, conduzir escutas e, até mesmo, fechar mesquitas ou outros locais suspeitos de pregar o ódio.

"Alguns temem que agora que nós estamos fora do estado de emergência pode haver uma queda na vigilância, é o oposto", disse o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, a repórteres, durante curta visita a policiais trabalhando na Torre Eiffel, em Paris.

"O nível de ameaça é alto em todos os lugares do mundo", disse, se referindo ao ataque de terça-feira em Nova York, onde oito pessoas foram mortas.

A nova legislação transforma algumas das medidas contidas no estado de emergência em lei, embora com algumas modificações.

Uma das medidas permitirá que o Ministério do Interior, sem aprovação de um juiz, monte grandes perímetros de segurança em caso de ameaça identificada, restringindo a movimentação de pessoas e veículos e com o poder de realizar buscas dentro da área.

"A França se tornou tão acostumada ao estado de emergência que agora está introduzindo diversas dessas medidas abusivas na lei comum", disse a organização de direitos humanos Human Rights Watch, antes de o Parlamento aprovar a legislação no mês passado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters