Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-primeiro-ministro francês François Fillon, ao lado de sua mulher, durante evento em Paris 09/04/2017 REUTERS/Benoit Tessier

(reuters_tickers)

Por Brian Love

PARIS (Reuters) - Políticos franceses não poderão mais contratar cônjuges ou filhos como assistentes parlamentares, de acordo com novas regras adotadas em resposta a um escândalo envolvendo o ex-primeiro-ministro François Fillon e sua mulher.

A lei, uma das primeiras a ser aprovada desde a eleição do presidente Emmanuel Macron em maio, valerá para ministros e membros do Parlamento, alinhando a França com países como a Alemanha e pondo fim ao que é um negócio de família generalizado.

As cláusulas principais da legislação foram aprovadas por membros da Assembleia Nacional em votações na noite de quarta-feira e nesta quinta-feira.

Macron, um político de 39 anos, ganhou a corrida presidencial prometendo que acabaria com práticas responsáveis pela ampla desconfiança dos eleitores com relação aos políticos.

Um de seus principais adversários na eleição presidencial foi Fillon, um ex-primeiro-ministro conservador cuja campanha foi destruída por um escândalo envolvendo pagamentos para sua mulher, Penelope.

O caso foi exposto pela mídia no final de janeiro, desencadeando uma investigação judicial, ainda em andamento, sobre alegações de que a mulher de Fillon recebeu centenas de milhares de euros durante anos por praticamente nenhum, ou nenhum, trabalho como sua assistente.

(Reportagem adicional de Emile Picy)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters