PARIS (Reuters) - A violação pelo Irã dos limites acordados para o enriquecimento de urânio, depois que os Estados Unidos abandonaram o acordo nuclear com Teerã, foi "uma reação ruim a outra decisão ruim", aumentando os temores de uma guerra, disse o ministro das Relações Exteriores da França.

As tensões aumentaram quando Washington culpou o Irã por vários ataques contra petroleiros e Teerã abateu o drone de vigilância dos EUA, levando o presidente Donald Trump a ordenar ataques aéreos, que ele cancelou apenas alguns minutos antes do impacto.

Trump retirou os Estados Unidos no ano passado do acordo de 2015 entre o Irã e as potências mundiais para conter o seu programa nuclear, para a consternação dos co-signatários França, Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia e China.

"A situação é séria", disse o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, quando questionado sobre o risco de uma guerra mais ampla no Oriente Médio.

"O fato de o Irã ter decidido retirar-se de alguns de seus compromissos sobre a proliferação nuclear é uma preocupação adicional. É uma decisão ruim, uma reação ruim a outra decisão ruim, a da retirada dos EUA do acordo nuclear um ano atrás", afirmou, ao chegar para a parada militar anual do Dia da Bastilha em Paris.

As potências europeias não apóiam as sanções impostas por Trump ao Irã, com vistas a forçá-lo a negociar limites nucleares mais rígidos e outras concessões de segurança, mas não conseguiram encontrar maneiras de permitir que o Irã os evite.

"Ninguém quer uma guerra. Tenho notado que todos estão dizendo que não querem ir para o topo da escalada. Nem o presidente (iraniano) Rouhani, nem o presidente Trump ou outros líderes do Golfo. Mas aqui há elementos de guerra." escalada que são preocupantes ", disse Le Drian.

(Reportagem de Bate Felix)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.