Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cartazes de campanha dos candidatos presidenciais franceses sobrepostos em Cambrai, na França. 04/05/2017 REUTERS/Pascal Rossignol

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - Os eleitores franceses estão entre os mais polarizados da União Europeia, já que um de cada cinco se descreve como de extrema-direita ou de extrema-esquerda, e só um terço como de centro, revelou uma pesquisa nesta sexta-feira, dois dias antes do segundo turno da eleição presidencial no país.

A pesquisa da Fundação Bertelsmann também mostrou um nível anormalmente alto de insatisfação com a direção da França, sublinhando o desafio que o novo presidente terá pela frente.

O político de centro Emmanuel Macron irá enfrentar a líder de extrema-direita Marine Le Pen, no domingo, na primeira vez desde a fundação da Quinta República, quase 60 anos atrás, que nenhum dos principais partidos de centro-direita e centro-esquerda disputam o 2º turno decisivo da votação.

As pesquisas indicam que Macron deve derrotar Le Pen por uma margem aproximada de 60 por cento a 40 por cento dos votos.

O levantamento da Bertelsmann, realizado em março e baseado nas respostas de 11.021 pessoas em toda a UE, mostrou que 20 por cento dos eleitores franceses se veem ou como de extrema-direita ou de extrema-esquerda -- na UE como um todo são só 7 por cento.

Destes, 14 por cento dos franceses se descreveram como de extrema-direita.

Só 36 por cento se veem como de centro, comparados com 62 por cento na UE em geral. Destes, 21 por cento disseram ser de centro-esquerda e 15 por cento de centro-direita.

A pesquisa também revelou uma insatisfação generalizada com a direção das políticas do país. Só 4 por cento dos eleitores de extrema-direita e 16 por cento dos eleitores de extrema-esquerda dizem estar satisfeitos.

(Por Noah Barkin)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters