Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Dano em área atingida por furacão Maria em Guayama, Porto Rico 20/9/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Dave Graham e Robin Respaut

SAN JUAN, Porto Rico (Reuters) - O furacão Maria atingiu Porto Rico nesta quarta-feira na condição de pior tempestade a se abater sobre o território norte-americano em quase 90 anos, transformando ruas em rios repletos de destroços, danificando edifícios e cortando a energia depois de matar ao menos nove pessoas no Caribe.

O Maria, segundo grande furacão a passar pelo Caribe neste mês, estava causando ventos de até 250 quilômetros por hora, inundações litorâneas de grande volume e chuvas torrenciais quando tocou o solo perto de Yabucoa, no sudeste da ilha de 3,4 milhões de habitantes.

Rios transbordaram e os ventos derrubaram árvores e danificaram casas e prédios, incluindo vários hospitais, segundo a mídia local. Fotos publicadas na imprensa mostraram bairros inteiros da vizinhança de Hato Rey, na capital San Juan, inundados.

A eletricidade está em falta em toda a ilha, noticiou o jornal El Nuevo Día. Milhares de pessoas estão buscando segurança em abrigos.

O Maria perdeu algo de sua força ao seguir terra adentro, mas seus ventos máximos ainda chegavam a 220 quilômetros por hora à medida que ele se afastava da ilha, disse o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC). Pouco antes das 11h locais o olho da tempestade estava cerca de 40 quilômetros a oeste de San Juan, segundo o NHC.

O furacão matou ao menos sete pessoas na ilha de Dominica, informaram autoridades do governo, e duas pessoas no território francês de Guadalupe em sua passagem pelo Caribe. Ele também causou danos generalizados em St. Croix, uma das Ilhas Virgens norte-americanas.

Janelas quebradas, toldos retorcidos e calhas pendiam caoticamente de edifícios de San Juan, quando não foram totalmente arrancados. Banheiros borbulhavam e emanavam um ar insalubre enquanto o furacão percorria as tubulações de água e esgoto da cidade.

Em Guayama, cidade costeira do sul localizada a oeste de onde o Maria chegou ao litoral, as águas das inundações transformaram as ruas em rios velozes que arrastavam destroços abatidos pelos ventos.

"Deus está conosco; somos mais fortes do que qualquer furacão", disse o governador Ricardo Rossello no Twitter nesta quarta-feira. "Juntos nos reergueremos".

O Maria deve levar até 66 centímetros de chuva a partes de Porto Rico, alertou o NHC. As inundações litorâneas, ocorridas quando furacões elevam a água do oceano perigosamente acima dos níveis normais, podem chegar a 2,7 metros, e a precipitação intensa pode causar inundações-relâmpago e deslizamentos de terra que ameaçariam vidas, acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters