Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Giosue Naso, advogado de Massimo Carminati, durante julgamento da "Máfia Capital", em Roma 05/11/2015 REUTERS/Alessandro Di Meo/Pool

(reuters_tickers)

Por Philip Pullella

ROMA (Reuters) - Os dois líderes de um grupo criminoso que saqueou os cofres da cidade de Roma foram condenados com cerca de 40 políticos, funcionários e empresários na quinta-feira, em um dos maiores julgamentos de corrupção na capital italiana.

Massimo Carminati, membro da famosa organização mafiosa de extrema-direita Banda della Magliana, de Roma, foi condenado a 20 anos de prisão, e seu parceiro Salvatore Buzzi, assassino condenado, recebeu 19 anos.

Apesar de o caso ter sido apelidado de julgamento da "Máfia Capital", o tribunal não condenou nenhum dos acusados por "associação mafiosa", reduzindo a gravidade das acusações em um grande revés para a acusação.

Os promotores tentaram ligar o grupo à máfia siciliana e comparar seus métodos com os do crime organizado tradicional, com o objetivo de obter penas mais longas e expandir o uso da legislação anti-máfia além da sua aplicação a grupos bem conhecidos como o 'Ndrangheta ou Camorra.

O tribunal decidiu que os réus eram culpados do que a lei italiana considera uma associação criminosa "simples".

"Não houve nada sobre a máfia neste julgamento", disse sorrindo Ippolita Naso, advogada de Carminati, depois que um juiz havia lido a sentença.

O promotor Paolo Ielo disse que vai apelar da decisão.

O julgamento começou em uma prisão de alta segurança nos arredores de Roma em novembro de 2015 e se estendeu por mais de 230 sessões. A leitura dos vereditos foi transmitida ao vivo pela TV.

Ielo pediu sentenças de 28 anos para Carminati, que perdeu o olho em um tiroteio com a polícia no início da década de 1980, e 26 anos e três meses para Buzzi.

Os membros do grupo foram acusados ​​de infiltrarem-se na prefeitura de Roma e usar suborno e intimidação para vencer licitações lucrativas, inclusive para a administração de centros que alojam imigrantes que chegaram em massa à Itália, vindos da África.

O tribunal absolveu cinco dos 46 acusados inicialmente.

Reuters