Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump e Jared Kushner em Washington 15/3/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Steve Holland e Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - Um banco russo sob sanções econômicas do Ocidente pela incursão da Rússia na Ucrânia divulgou nesta segunda-feira que seus executivos se encontraram com Jared Kushner, genro do presidente Donald Trump e assessor sênior da Casa Branca, durante a campanha eleitoral de 2016.

O comitê do Senado norte-americano que investiga a suspeita de interferência russa na eleição quer entrevistar pessoas ligadas a Trump, incluindo Kushner, 36, que é casado com a filha de Trump, Ivanka Trump, e concordou em testemunhar.

Kushner anteriormente reconheceu ter se encontrado com o embaixador russo para Washington em dezembro, mas apenas nesta segunda-feira surgiu a informação que executivos do banco estatal de desenvolvimento russo Vnesheconombank (VEB) conversaram com Kushner durante um roadshow do banco no ano passado.

O banco disse em uma declaração por e-mail que, como parte de sua preparação de uma nova estratégia, seus executivos se reuniram com representantes de instituições financeiras na Europa, Ásia e América.

O banco também disse que as reuniões do roadshow ocorreram "com um número de representantes dos maiores bancos e empresas dos Estados Unidos, incluindo Jared Kushner, chefe da Kushner Companies." O VEB se recusou a dizer onde as reuniões ocorreram e as datas.

Não houve comentários imediatos de Kushner.

Acusações de agências da inteligência dos EUA de que atores russos estavam por trás de compartilhamento de informações falsas e ataques cibernéticos a membros seniores do Partido Democrata perduram sobre a Presidência de Trump. Democratas afirmam que russos queriam inclinar a eleição para o lado republicano, reivindicação rejeitada por Trump. A Rússia nega as acusações.

Mas não há dúvidas de que o embaixador russo nos EUA, Sergei Kislyak, desenvolveu contatos entre a equipe de Trump. O primeiro assessor de segurança nacional de Trump, Michael Flynn, foi forçado a renunciar em 13 de fevereiro após ser revelado que ele discutiu sanções sobre a Rússia com Kislyak e enganou o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, sobre as conversas.

    Em artigo publicado em 18 de dezembro, a Forbes estimou que Jared Kushner, seu irmão Josh e seus pais, Charles e Seryl, possuem fortuna equivalente a ao menos 1,8 bilhão de dólares, da qual mais da metade a Forbes estima ser em bens imóveis.

    A Forbes não deu uma estimativa específica para somente a rede de Jared Kushner.

Autoridades norte-americanas disseram que após o encontro com o embaixador russo Kislyak na Trump Tower em dezembro, um encontro que também contou com participação de Flynn, Kushner se encontrou posteriormente em dezembro com Sergei Gorkov, CEO do Vnesheconombank. A porta-voz da Casa Branca Hope Hicks confirmou os encontros.

Gorkov foi nomeado chefe do VEB no início de 2016 pelo presidente russo Vladimir Putin. Ele se formou no Serviço Federal de Segurança, ou FSB, agência de segurança interna da Rússia. Ele recebeu a Medalha da Ordem do Mérito por Serviços à Pátria, de acordo com o site do banco.

De acordo com dois funcionários do Congresso, alguns investigadores do Senado querem questionar Kushner e Flynn sobre se discutiram com Gorkov ou outros funcionários russos ou executivos financeiros a possibilidade de investir na 666 Fifth Avenue em Nova York ou em outras propriedades Kushner Co ou em propriedades de Trump se o novo governo levantasse as sanções.

VEB, além de estar sob sanções, tem lutado com dívidas ruim depois de financiar projetos politicamente oportunos, como construção para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi.

Na segunda-feira, o porta-voz da Casa Branca Sean Spicer disse a repórteres que Kushner está disposto a testemunhar ao Comitê de Inteligência do Senado, presidido pelo senador Richard Burr, republicano da Carolina do Norte.

“Durante a campanha e a transição, Jared serviu como um ponto primário oficial de contato entre governos estrangeiros e autoridades... e então, dado seu papel, ele se voluntariou para conversar com o comitê do presidente Burr”, disse Spicer a repórteres durante entrevista coletiva diária.

Os líderes republicanos e democratas do painel do Senado também disseram que Kushner concordou em ser entrevistado.

Simplesmente se encontrar com representantes de uma entidade sancionada pelos EUA não é uma violação às sanções ou ilegal.

Reuters