Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LONDRES (Reuters) - O governo britânico ainda não sabe quem estava por trás dos ataques cibernéticos globais de sexta-feira que perturbaram o sistema de saúde do país, disse a ministra do Interior, Amber Ruud, neste sábado.

"Não podemos dizer quem está por trás dos ataques. Este trabalho ainda está em andamento", disse a ministra à rádio BBC.

Segundo ela, o Centro Nacional de Segurança Cibernética está trabalhando com o serviço de saúde do país para garantir que o ataque fosse contido, enquanto a Agência Nacional de Crimes trabalhava para encontrar os responsáveis pelo ataque. 

Ruud afirmou que o governo não sabe se o ataque foi direcionado por um governo estrangeiro. 

Na sexta-feira, hackers enganaram suas vítimas, fazendo-as abrir anexos maliciosos em e-mails de spam que pareciam conter pagamentos, ofertas de emprego, avisos de segurança e outros arquivos legítimos. Quase 100 países foram impactados. 

Ruud disse que o ataque não foi especificamente direcionado ao serviço de saúde do Reino Unido.

"(O vírus) parece aleatório em relação ao seu destino e onde ele foi aberto", disse.

Apesar de 45 organizações de saúde na Inglaterra e na Escócia terem sido afetadas pelo programa malicioso, nenhum dado de pacientes foi acessado ou transferido, disse Ruud. 

A ministra disse que lições podem ser tomadas a partir do ataque. "Há lições a serem aprendidas. Por que certas regiões foram mais afetadas que outras? Tem a ver com o programa? Tem a ver com melhor tecnologia de informação?".

Paralelamente, no sábado, chefes financeiros do grupo dos sete países mais ricos comprometeram-se a juntar forças para enfrentar a crescente ameaça de ataques cibernéticos internacionais, de acordo com um comunicado de uma reunião que está sendo realizada em Bari, na Itália.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters