Navigation

Governo italiano deve impor restrições para conter novo aumento da Covid-19 no país

Este conteúdo foi publicado em 04. outubro 2020 - 18:15

Por Crispian Balmer

ROMA (Reuters) - O governo italiano deve impor novas restrições no país na próxima semana para tentar conter o número crescente de casos de coronavírus, disse o ministro da Saúde, Roberto Speranza, neste domingo.

O gabinete deve se reunir na terça-feira para decidir como reagir ao aumento no número de infecções, com o sul da Itália pela primeira vez parecendo mais vulnerável à doença.

"A batalha ainda não acabou. Não temos os números vistos em outros países europeus... mas estamos em uma fase de crescimento significativo e espero que o país encontre espírito de unidade", disse Speranza à emissora estatal RAI.

As medidas em análise incluem tornar obrigatório o uso de máscaras ao ar livre em todo o país e reintrodução das restrições às reuniões sociais.

A Itália registrou 2.844 novos casos no sábado, o maior número desde o final de abril, quando o país estava sob um lockdown de alcance nacional. As autoridades estão alarmadas com os surtos no sul, com a região da Campânia, principalmente Nápoles, vendo mais de 400 novas infecções por dia pela primeira vez.

Para ajudar a manter o controle e garantir que as regras de distanciamento social sejam respeitadas, o Ministério do Interior disse no sábado que soldados podem ser enviados, bem como a polícia, a alguns pontos críticos.

A Itália foi o primeiro país da Europa a ser acometido pela Covid-19 e tem o sexto maior número de mortes no mundo, com quase 36.000 vítimas desde o início do surto em fevereiro. Até sábado, haviam sido registrados 322.751 casos.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.