Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente norte-americano, Donald Trump, durante reunião na Casa Branca, em Washington. 28/06/2017 REUTERS/Yuri Gripas

(reuters_tickers)

Por Yeganeh Torbati e Mica Rosenberg

WASHINGTON/NOVA YORK (Reuters) - O governo do presidente norte-americano, Donald Trump, voltou atrás e decidiu incluir os noivos na lista de familiares próximos que poderão viajar para os Estados Unidos na quinta-feira, quando as medidas de restrição de viagens para cidadãos de seis países de maioria muçulmana entraram em vigor.

O Departamento de Estado dos EUA concluiu que "após revisões adicionais, noivos serão agora incluídos como familiares próximos", disse uma autoridade do departamento, que falou sob condição de anonimato.

O governo Trump tinha decidido anteriormente, com base em sua interpretação de uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, que avós, netos e noivos de residentes norte-americanos viajando do Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen não teriam permissão para obter vistos enquanto a restrição estiver em vigor.

(Reportagem adicional de Arshad Mohammed, Lawrence Hurley e Susan Heavey em Washington, Gabriella Borter em New York, Fatima Bhojani em Virgínia e Dan Levine em San Francisco)

Reuters