Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Premiê britânico, David Cameron, ao chegar para a reunião de líderes da União Europeia, em Bruxelas. 16/07/2014. REUTERS/Pascal Rossignol

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - A Grã-Bretanha alertou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nesta segunda-feira de que a economia russa poderá sofrer sanções setoriais a menos que Moscou conceda pleno acesso ao local da queda do avião da Malasyia Arlines e pare de instigar a instabilidade na Ucrânia.

O governo britânico diz que um míssil russo disparado de território ucraniano sob controle de rebeldes pró-Rússia provavelmente derrubou o voo MH17 da Malaysia Airlines, causando a morte de 298 pessoas, entre as quais 10 britânicos.

"Nós deveremos discutir ir mais longe, com medidas setoriais, de nível três", disse o primeiro-ministro David Cameron a repórteres.

"Se a Rússia não adotar, no próximo período, medidas tanto em termos de imediata resposta ao desastre, mas também às questões diretamente ligadas à instabilidade no leste da Ucrânia, então vamos argumentar que temos de ir mais longe."

A Grã-Bretanha vai defender com firmeza numa reunião de ministros de Relações Exteriores da União Europeia, na terça-feira, sanções contra a Rússia, disse o porta-voz do premiê britânico.

O porta-voz acrescentou que o governo britânico vai também impulsionar a adoção imediata das sanções contra pessoas e entidades russas definidas pela UE na semana passada.

(Reportagem de William James)

Reuters