Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PARIS (Reuters) - Cerca de 70 países reafirmaram neste domingo que apenas uma solução de dois Estados poderá resolver o conflito entre israelenses e palestinos e advertiram que não reconheceriam quaisquer medidas unilaterais tomadas por qualquer das partes que possam prejudicar as negociações.

O comunicado final de uma conferência de paz no Oriente Médio, realizada em Paris no domingo, evitou explicitamente criticar os planos do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém, apesar dos diplomatas terem enviado uma mensagem subliminar. mas disse que uma nova conferência das partes interessadas será realizada até o final do ano.

Trump comprometeu-se com políticas mais pró-israelenses e a transferir a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, tudo menos consagrando a cidade como capital de Israel, apesar das objeções internacionais.

Países como os principais Estados europeus e árabes, bem como os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. estiveram em Paris para a conferência, que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu rejeitou como "fútil". Nem os israelenses nem os palestinos estavam representados.

No entanto, apenas cinco dias antes de Trump ser juramentado, o encontro foi visto como uma plataforma para que os países enviassem um sinal forte ao novo presidente norte-americano de que uma solução de dois Estados para o conflito não pode ser comprometida e que decisões unilaterais poderiam exacerbar a tensão em solo.

Os participantes "apelam a ambas as partes para que se abstenham de medidas unilaterais que prejulguem o resultado das negociações sobre questões relativas ao estatuto definitivo, incluindo, nomeadamente, sobre Jerusalém, as fronteiras, a segurança, os refugiados e que não reconhecerão". disse o comunicado.

Uma fonte diplomática francesa disse que houve negociações difíceis nesse parágrafo.

"É um parágrafo tortuoso e complicado para passar uma mensagem subliminar para a administração Trump", disse o diplomata.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse a repórteres que seria inadequado incluir a questão da mudança da embaixada dos EUA, que está sendo debatida publicamente nos Estados Unidos.

As relações entre os Estados Unidos e Israel se agudizaram durante a administração do presidente Barack Obama, atingindo um ponto baixo no mês passado, quando Washington recusou vetar a resolução 2334 da ONU, exigindo o fim dos assentamentos israelenses em território ocupado.

Paris disse que o encontro não pretende impor nada a Israel ou aos palestinos e que apenas negociações diretas podem resolver o conflito.

(Por John Irish e Marine Pennetier)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters