Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestação durante greve regional parcial em Barcelona, na Espanha 08/11/2017 REUTERS/Albert Gea

(reuters_tickers)

BARCELONA (Reuters) - Uma greve convocada na Catalunha por ativistas pró-independência para protestar contra a prisão de políticos regionais destituídos fechou vias no início desta quarta-feira, causando enormes congestionamentos na direção de Barcelona e reduzindo ao mínimo alguns serviços de transporte público.

O sindicato catalão separatista CSC convocou a greve, que teve o apoio dos grupos civis Assembleia Nacional Catalã (ANC) e Omnium Cultural, cujos líderes foram detidos no mês passado devido a acusações de sedição.

Dezenas de pessoas fecharam rodovias da região brandindo cartazes e entoando "liberdade para os prisioneiros políticos". Pequenos conflitos foram relatados nas redes sociais quando policiais tentaram afastar os manifestantes, como mostraram imagens de televisão e de vídeo.

Uma multidão de ativistas também abriu caminho à força na estação de trens da cidade de Girona e protestou nos trilhos, causando atrasos, revelaram imagens publicadas em redes sociais.

Apesar dos atrasos nos transportes, lojas e negócios da região pareceram estar funcionando normalmente.

Os líderes da ANC e da Omnium e oito ex-membros do governo catalão estão na prisão aguardando julgamento por terem realizado um referendo de separação, que os tribunais da Espanha consideraram ilegal, e depois terem declarado independência.

A iniciativa secessionista lançou o país em sua pior crise política em décadas, aprofundando divisões políticas e culturais e levando milhares de empresas a saírem da Catalunha.

O governo central espanhol, que assumiu o controle da região após a declaração unilateral de independência, convocou uma eleição para 21 de dezembro.

(Por Silvio Castellanos)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters