Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

SÃO PAULO (Reuters) - Um conjunto de 12 países das Américas, conhecido como Grupo de Lima, pediu nesta terça-feira uma auditoria independente urgente sobre as eleições regionais da Venezuela no último domingo e afirmou que o pleito, no qual aliados do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, conquistaram a maioria dos governos estaduais, foi marcado por irregularidades e manipulação.

O grupo --formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru-- aponta que a eleição foi caracterizada por "diversos obstáculos, atos de intimidação, manipulação e irregularidades" e, diante disso, consideram "urgente realizar uma auditoria independente de todo o processo eleitoral".

Os membros do Grupo de Lima pedem, ainda, que essa auditoria seja "acompanhada por observadores internacionais especializados e reconhecidos, a fim de esclarecer a controvérsia gerada sobre os resultados da referida eleição e conhecer o verdadeiro pronunciamento do povo venezuelano".

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, pró-governo, disse que os candidatos aliados a Maduro venceram em 17 Estados, contra seis da oposição, na votação de domingo. O ótimo resultado do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) foi inesperado, já que a escassez de alimentos devastadora e a inflação que corrói os salários vêm despertando fúria contra Maduro.

Líderes oposicionistas denunciaram irregularidades, pediram uma reação nas ruas e exigiram uma auditoria do pleito, mas não apresentaram nenhum indício de fraude de imediato.

Antes da eleição de domingo, membros da oposição a Maduro afirmaram que a comissão eleitoral pró-Maduro tentou manipular as eleições regionais a favor dos socialistas incluindo os nomes de candidatos derrotados em primárias na cédula.

(Por Eduardo Simões)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters