Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Isla Binnie e Sonya Dowsett

MADRID (Reuters) - O grupo militante separatista basco ETA, que liderou uma campanha sangrenta pela indepedência da Espanha por mais de quatro décadas, disse nesta sexta-feira ter entregado todas as suas armas e explosivos.

BBC citou uma suposta carta do ETA, declarando que o grupo tinha entregue todas as suas armas para intermediários civis, se tornando uma organização desarmada.

A ação não é, contudo, um desmembramento total do grupo supostamente responsável pela morte de mais de 850 pessoas antes de declarar cessar-fogo em 2011.

Arnaldo Otegi, líder do partido basco pró-independência, EH Bildu, que já foi preso pelo seu envolvimento com o ETA, disse que a ação marca o fim da luta armada por um Estado separado no norte da Espanha e no sudoeste da França.

"Nós estamos entrando em uma situação irreversível, violência não será utilizada para conseguir autodeterminação e independência... Nós estamos aguardando alegre e tranquilamente o amanhã", disse Otegi.

Ele pediu por um referendo sobre a independência, assim como o que aconteceu na Escócia em 2014. Uma pesquisa de outubro do ano passado, realizada pelo grupo Euskobarometro, mostrou que 29 por cento dos bascos tendiam fortemente a independência, enquanto 37 por cento não tinham nenhuma vontade de que isso acontecesse.

Os intermediários devem entregar as armas para as autoridades no sábado, na cidade francesa de Bayonne em um processo iniciado em março por ativistas bascos.

O grupo, formado em 1959 durante a ditadura do general Francisco Franco, ficou muito enfraquecido nos últimos anos após autoridades prenderem centenas de seus membros e apreendido muitos de seus estoques de armas.

(Reportagem adicional de Rodrigo de Miguel, Inmaculada Sanz, Miguel Pereira e Vincent West)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters