Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes protestam pela libertação dos jornalistas holandeses Derk Johannes Bolt e Eugenio Ernest Marie em Bogotá. 21/06/ 2017 REUTERS/Jaime Saldarriaga

(reuters_tickers)

BOGOTÁ (Reuters) - O grupo rebelde marxista colombiano Exército de Libertação Nacional (ELN) disse nesta quinta-feira que os dois jornalistas holandeses que havia capturado nesta semana no nordeste do país estão em bom estado de saúde e serão libertados.

Derk Johannes Bolt, um jornalista de 62 anos, e Eugenio Ernest Marie Follender, um operador de câmera de 58 anos, foram sequestrados no município de El Tarra, em Norte de Santander.

O Exército da Colômbia atribuiu o sequestro ao ELN, mas a liderança do grupo tinha dito que a comunicação com algumas de suas unidades era difícil devido ao conlito e que estava tentando confirmar o paradeiro dos repórteres.

"A frente do nordeste relata que os jornalistas holandeses estão em bom estado de saúde e serão libertados", disse o grupo no Twitter. Um comunicado será publicado assim que os repórteres forem libertados, acrescentou.

O ELN frequentemente sequestra colombianos e estrangeiros, muitos dos quais trabalham em operações de petróleo, para pedir resgate ou vantagem política.

O ELN, o maior grupo rebelde do país depois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), está em negociações com o governo para pôr fim a mais de cinco décadas de guerra no país. As Farc assinaram um acordo de paz no ano passado e estão atualmente desmobilizando suas guerrilhas.

Mais de 220 mil pessoas foram mortas no conflito que colocou o Exército contra as Farc, o ELN e forças paramilitares de direita.

No ano passado o ELN capturou um jornalista espanhol, que foi libertado após seis dias.

(Reportagem de Julia Symmes Cobb)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters