Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes protestam pela libertação dos jornalistas holandeses Derk Johannes Bolt e Eugenio Ernest Marie em Bogotá. 21/06/ 2017 REUTERS/Jaime Saldarriaga

(reuters_tickers)

BOGOTÁ (Reuters) - O grupo rebelde marxista colombiano Exército de Libertação Nacional (ELN) disse nesta quinta-feira que os dois jornalistas holandeses que havia capturado nesta semana no nordeste do país estão em bom estado de saúde e serão libertados.

Derk Johannes Bolt, um jornalista de 62 anos, e Eugenio Ernest Marie Follender, um operador de câmera de 58 anos, foram sequestrados no município de El Tarra, em Norte de Santander.

O Exército da Colômbia atribuiu o sequestro ao ELN, mas a liderança do grupo tinha dito que a comunicação com algumas de suas unidades era difícil devido ao conlito e que estava tentando confirmar o paradeiro dos repórteres.

"A frente do nordeste relata que os jornalistas holandeses estão em bom estado de saúde e serão libertados", disse o grupo no Twitter. Um comunicado será publicado assim que os repórteres forem libertados, acrescentou.

O ELN frequentemente sequestra colombianos e estrangeiros, muitos dos quais trabalham em operações de petróleo, para pedir resgate ou vantagem política.

O ELN, o maior grupo rebelde do país depois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), está em negociações com o governo para pôr fim a mais de cinco décadas de guerra no país. As Farc assinaram um acordo de paz no ano passado e estão atualmente desmobilizando suas guerrilhas.

Mais de 220 mil pessoas foram mortas no conflito que colocou o Exército contra as Farc, o ELN e forças paramilitares de direita.

No ano passado o ELN capturou um jornalista espanhol, que foi libertado após seis dias.

(Reportagem de Julia Symmes Cobb)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters