Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros da Defesa Civil inspecionam mesquita danificada após ataque aéreo no vilarejo de Al-Jina, na província de Aleppo, na Síria. 17/03/2017 REUTERS/Ammar Abdullah

(reuters_tickers)

BEIRUTE (Reuters) - O Ahrar al-Sham, um importante grupo rebelde sírio, disse nesta sexta-feira que a coalizão liderada pelos Estados Unidos que combate o Estado Islâmico foi responsável por um ataque a uma mesquita próxima da cidade de Aleppo que um grupo de monitoramento disse ter matado dezenas de pessoas na noite de quinta-feira.

Caças alvejaram os arredores da mesquita do vilarejo de Al-Jina, perto de Atarib, na parte ocidental da província de Aleppo e a alguns quilômetros da província de Idlib, e mataram ao menos 46 pessoas, a maioria civis, relatou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os militares dos EUA disseram ter realizado um ataque aéreo contra militantes da Al Qaeda em um local de encontro de Idlib na quinta-feira, mas não ficou claro se se referiam ao ataque em Jina.

Washington tem conduzido ataques aéreos na área, e não a coalizão internacional que encabeça contra o Estado Islâmico, que opera mais ao leste. Vários bombardeios norte-americanos realizados no noroeste sírio neste ano visaram grupos que vêm sendo ligados à Al Qaeda.

Os militares da Síria e caças da Rússia também fizeram numerosos ataques aéreos contra alvos em Idlib e em parte do oeste da província de Aleppo, que estão ocupadas por rebeldes determinados a depor o presidente sírio, Bashar al-Assad.

O Ahrar al-Sham, grupo islâmico extremista que vem lutando ao lado de facções nacionalistas sob a bandeira do Exército Livre da Síria, vêm se envolvendo neste ano em combates com grupos jihadistas que Washington já atacou.

Muitos também acreditam que o Ahrar al-Sham tem apoio da Turquia e de outros países da região que endossam a rebelião contra Assad. O grupo disse que ataques a mesquitas e locais de culto são considerados crimes de guerra na maioria dos códigos legais.

(Por Angus McDowall)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters