Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro do Líbano, Saad al-Hariri, durante coletiva de imprensa no Parlamento em Beirute 09/10/2017 REUTERS/Mohamed Azakir

(reuters_tickers)

BEIRUTE (Reuters) - Saad al-Hariri, o primeiro-ministro do Líbano que renunciou ao cargo no dia 4 novembro, disse nesta segunda-feira que está bem e que voltará ao país nos próximos dois dias.

Em publicação no Twitter, Hariri pediu que os libaneses fiquem calmos e disse que sua família permanecerá na Arábia Saudita, que chamou de "país deles".

A renúncia de Hariri enquanto estava na Arábia Saudita desencadeou uma crise política no Líbano.

Importantes autoridades do governo libanês e políticos graduados próximos a Hariri acreditam que a Arábia Saudita o coagiu a renunciar e que está mantendo o primeiro-ministro no país contra sua vontade, embora Hariri e sauditas tenham negado as acusações.

Durante seu discurso de renúncia, Hariri citou medo de ser assassinado e acusou o Irã e o grupo libanês Hezbollah de disseminar discórdia pelo mundo árabe.

O presidente do Líbano, Michel Aoun, que afirmou acreditar que Riad está restringindo a liberdade de Hariri, se recusou a aceitar sua renúncia até que ele retorne da Arábia Saudita.

(Reportagem de Sarah Dadouch)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters