Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeiras do Hezbollah e da Síria em veículo militar na região síria de Qalamoun 28/8/2017 REUTERS/Omar Sanadiki

(reuters_tickers)

Por Tom Perry e Katya Golubkova

BEIRUTE/MOSCOU (Reuters) - O grupo xiita libanês Hezbollah declarou vitória na guerra da Síria e a Rússia disse que as forças do governo expulsaram os militantes da maior parte do país, onde o comando do presidente Bashar al-Assad parecia ameaçado dois anos atrás.

Os comentários de dois aliados do governo sírio são as maiores demonstrações de confiança já emitidas sobre a posição de Assad no conflito, embora partes significativas da nação continuem fora do controle estatal. A afirmativa russa de que o Exército reconquistou 85 por cento do território foi refutada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos, segundo o qual o governo controla 48 por cento da Síria.

Nesta terça-feira o ministro da Defesa russo se encontrou com Assad em Damasco para debater esforços militares conjuntos e a luta contra o Estado Islâmico.

Os avanços mais recentes do governo retomaram partes do leste sírio do Estado Islâmico, que está sendo alvejado na mesma região por milícias curdas e árabes apoiadas pelos Estados Unidos.

O líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, cujo grupo enviou milhares de combatentes à Síria, minimizou os combates ainda a serem disputados no país vizinho, que chamou de "batalhas esparsas".

"Vencemos a guerra (na Síria)", disse ele em comentários noticiados pelo jornal libanês Al-Akhbar.

Referindo-se aos opositores de Assad, Nasrallah disse que "o caminho do outro projeto fracassou e quer negociar para ter alguns ganhos". Seus comentários, feitos durante um encontro de cunho religioso, foram confirmados à Reuters por uma fonte a par de seu discurso.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters