Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher carrega foto de líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, durante 9º aniversário do fim da guerra com Israel, em Wadi al-Hujeir, sul do Líbano 14/8/2015 REUTERS/Aziz Taher

(reuters_tickers)

Por Tom Perry

BEIRUTE (Reuters) - Um cessar-fogo entrou em vigor nesta quinta-feira em uma área montanhosa da fronteira líbano-síria, onde o grupo libanês Hezbollah diz estar perto de derrotar militantes da Frente Al-Nusra em seu último reduto na divisa.

A trégua começou às 6h locais, interrompendo os combates em todas as frentes em áreas próximas da cidade fronteiriça libanesa de Arsal, onde o Hezbollah iniciou seu ataque contra os jihadistas da Al-Nusra, informou um serviço militar de notícias do Hezbollah.

Uma fonte a par das negociações, mediadas por uma agência de segurança interna do Líbano, disse que os combatentes remanescentes da Al-Nusra estão dispostos a aceitar uma passagem segura para Idlib, região da Síria comandada por rebeldes, e que as conversas para se acertar a rota que utilizarão estão em andamento.

O Hezbollah está exigindo a libertação de cinco de seus combatentes nas mãos da Frente Al-Nusra na Síria como parte do acordo, disse a fonte.

Em um discurso feito no final da quarta-feira, o líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, disse que as conversas entre autoridades libanesas e a Al-Nusra começaram na terça-feira.

Ainda na quarta-feira, Nasrallah disse que seu grupo está prestes a derrotar os militantes da Al-Nusra, afirmando que eles "perderam efetivamente" a maior parte do território que ocupam na região montanhosa e desolada de fronteira conhecida como Jroud Arsal.

Fontes de segurança dizem que cerca de duas dezenas de combatentes do Hezbollah morreram, e quase 150 militantes.

Militantes do Estado Islâmico presentes em uma área adjacente da região de fronteira devem ser alvejados na próxima fase da operação, a menos que concordem em recuar.

A Al-Nusra foi o braço oficial da Al Qaeda na guerra síria até o ano passado, quando cortou formalmente seus laços com a rede jihadista global e mudou de nome. Agora ela luta como parte da aliança islâmica Tahrir al-Sham, na qual predomina.

O Hezbollah vem desempenhando um papel de destaque no combate a militantes na região fronteiriça durante a guerra de seis anos da Síria, parte de uma atuação muito mais abrangente que vem realizando no conflito sírio em apoio ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

A região de Arsal foi palco de uma das maiores repercussões da guerra civil síria no Líbano quando militantes da Al-Nusra e do Estado Islâmico ocuparam brevemente Arsal, sequestrando dezenas de soldados e policiais libaneses.

         (Reportagem adicional de Laila Bassam)

Reuters