Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Autoridades caminham do lado de fora de um terminal do aeroporto de Fort Lauderdale, onde um homem abriu fogo com uma arma 06/01/2017 REUTERS/Zachary Fagenson

(reuters_tickers)

Por Zachary Fagenson

FORT LAUDERDALE, EUA (Reuters) - Um homem vestindo uma camisa do “Star Wars” abriu fogo na área de uma esteira de coleta de bagagem no Aeroporto Internacional Fort Lauderdale-Hollywood, nos Estados Unidos, nesta sexta-feira, matando cinco pessoas antes de ser detido, disseram autoridades e testemunhas.

Cinco pessoas morreram e oito ficaram feridas no episódio, disse o xerife Scott Israel, do condado de Broward, à imprensa no aeroporto.

O atirador havia chegado ao aeroporto com uma arma na bagagem, disse Chip LaMarca, comissário do condado, pelo Twitter. Ele pegou a sua mala, foi para o banheiro para carregar a arma, saiu e iniciou os disparos, afirmou LaMarca.

Vídeo de celular divulgado em redes sociais mostrou vítimas no piso perto da esteira e pessoas ajoelhadas tentando ajudar. Pelo menos duas vítimas tinham poças de sangue de aparentes ferimentos na cabeça.

O atirador não ficou ferido, uma vez que as forças de segurança não dispararam nenhum tiro, afirmou Israel, acrescentando que era muito cedo para indicar o motivo.

"Neste momento, o que parece é que ele agiu sozinho”, declarou Israel.

Todavia, ele disse que “essa cena é considerada volátil e ativa”, ao mesmo tempo que a polícia fazia buscas no resto do aeroporto.

O atirador foi identificado como Esteban Santiago, de 26 anos, e tinha uma identificação militar norte-americana, segundo um porta-voz do senador da Flórida Bill Nelson, que falou com autoridades do setor de segurança.

O ataque na Flórida é o mais recente de uma série de ações a tiro que tem ocorrido nos EUA, com algumas inspiradas por militantes islâmicos e outras realizadas de forma solitária ou por pessoas com distúrbios mentais com acesso fácil a armas sob a legislação norte-americana.

Cerca de 90 minutos depois do ataque, houve uma nova onda de pânico, com correria de passageiros e policiais num diferente terminal, mas Israel disse que não havia outros relatos de disparos.

Uma pessoa se feriu tentando sair, o que pode ter provocado o pânico posterior, disse Israel. Dezenas de policiais passaram a correr com as suas armas automáticas, e um policial, testemunhou um repórter da Reuters, gritou: “Abaixem-se, abaixem-se!”.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters