Reuters internacional

Funcionários e hóspedes retirados de hotel após homem armado colocar fogo em cassino em Manila, nas Filipinas. 02/06/2017 REUTERS/Erik De Castro

(reuters_tickers)

Por Manolo Serapio Jr e Neil Jerome Morales

MANILA (Reuters) - Um homem armado invadiu um cassino de Manila, capital das Filipinas, nesta sexta-feira, colocando fogo nas mesas de jogo e provocando ao menos 36 mortes, todas por sufocamento, no que autoridades acreditam ter sido uma tentativa fracassada de assalto.

Não há nenhuma evidência que ligue o ataque no centro de entretenimento do Resorts World Manila aos combates entre soldados do governo e militantes islâmicos no sul do país, disse Ernesto Abella, um porta-voz do presidente Rodrigo Duterte.

"Todos os indícios apontam para um ato criminal de um indivíduo aparentemente desequilibrado emocionalmente", disse Abella em uma coletiva de imprensa. "Embora o invasor tenha dado tiros de alerta, não há nenhuma indicação de que ele queria ferir ou atirar em ninguém".

O autor do ataque se matou em seu quarto de hotel, após ser ferido com um tiro por um segurança do hotel, informaram a polícia e a gerência do resort. Uma segunda pessoa que estava no cassino no momento estava cooperando com a investigação, disse a polícia.

A maior parte das vítimas morreu sufocada no caos. O porta-voz da brigada de incêndios, Ian Manalo, disse que muitos hóspedes e funcionários tentaram se esconder do tiroteio, em vez de tentarem sair do prédio, quando o ataque começou, logo após a meia-noite (horário local) e acabaram sufocadas pela fumaça.

Oscar Albayalde, chefe do escritório de polícia da capital, disse que as vítimas estavam na principal área de jogos do cassino.

"O que causou a morte deles foi a fumaça", disse a repórteres. "O local tinha carpete e, claro, as mesas eram altamente inflamáveis".

Um representante do Resorts World Manila disse que os mortos incluem 22 hóspedes.

Reuters

 Reuters internacional