Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Salman Abedi, autor do ataque de Manchester, em imagem de circuito interno de segurança na noite do ataque. 27/05/2017 Polícia de Manchester/Divulgação via Reuters

(reuters_tickers)

TRÍPOLI (Reuters) - O homem-bomba que matou 22 pessoas em um show em Manchester no mês passado se radicalizou em 2015 enquanto morava no Reino Unido, disse seu irmão a investigadores de contraterrorismo líbios em Trípoli.

Hashem, irmão de Salman Abedi, também disse que ele comprou equipamento para o ataque no Reino Unido, embora não soubesse onde ele seria realizado, disse à Reuters Ahmed Bin Salem, porta-voz da Força Especial de Dissuasão de Trípoli (Rada).

A Rada é uma força de contraterrorismo alinhada ao governo de Trípoli, que tem apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). Ela deteve o pai de Salman Abedi, Ramadan, e seu irmão mais novo, Hashem, nos dias seguintes ao atentado, e os está interrogando, assim como outros familiares.

"Hashem disse que ele e Salman conheceram a ideologia do Daesh (Estado Islâmico) em Manchester em 2015 pela internet e por alguns amigos no Reino Unido", disse Bin Salem.

"Ele acrescentou que eles costumavam assistir vídeos e que se solidarizavam com crianças da Síria e queriam fazer algo para ajudar o Daesh."

Salman e Hashem voaram para a Líbia no dia 18 de abril, informou Bin Salem. Salman voltou para Manchester cerca de uma semana antes do ataque depois de dizer aos pais que iria fazer uma peregrinação à Meca.

"Hashem disse que ele comprou para Salman todas as coisas necessárias para o ataque no Reino Unido e acrescentou que Salman planejava realizar um ataque, mas ele não sabia onde", disse Bin Salem, que ainda informou que Salman ligou para Trípoli em 15 de maio para "dizer adeus à sua família antes do ataque".

(Por Ahmed Elumami)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters