Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro das forças de segurança do Afeganistão em local de ataque com homem-bomba, em Cabul 29/08/2017 REUTERS/Omar Sobhani

(reuters_tickers)

Por Mirwais Harooni

CABUL (Reuters) - Um homem-bomba se explodiu em um banco perto da fortemente protegida embaixada dos Estados Unidos na capital afegã, Cabul, nesta terça-feira, matando pelo menos cinco pessoas e ferindo oito, informou o Ministério do Interior.

O homem atingiu a entrada de uma agência do Kabul Bank perto do principal quarteirão diplomático, disse Najib Danish, porta-voz do ministério. Segundo ele pelo menos cinco pessoas foram mortas e oito ficaram feridas.

O Taliban reivindicou a responsabilidade do ataque, que ocorreu enquanto os bancos estavam cheios de pessoas sacando dinheiro antes do feriado muçulmano de Eid al-Adha no final da semana, afirmando ter alvejado soldados e policiais que retiravam seus salários.

O mais recente em uma longa série de ataques suicidas em Cabul destaca o perigo na cidade, onde 209 civis foram mortos e 777 ficaram feridos no primeiro semestre do ano, de acordo com números da Organização das Nações Unidas (ONU).

O Taliban, lutando para restaurar a lei islâmica e retirar forças internacionais que apoiam o governo de Cabul, realizou muitos dos ataques. Outros grupos militantes, incluindo a rede afiliada Haqqani e o braço local do Estado Islâmico, realizaram outros.

Ataques a bancos onde soldados e policiais retiram seus salários se tornaram uma tática regular do Taliban, e o porta-voz do movimento, Zabihullah Mujahid, afirmou que diversos membros das forças de segurança foram mortos. Não houve confirmação por parte do governo.

O governo do presidente Ashraf Ghani, enfrentando uma crescente raiva pública por conta da insegurança em Cabul, fortaleceu a segurança no centro da cidade, onde muitos dos ataques fatais ocorreram.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters