Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Kelli Dugan
MOBILE, EUA (Reuters) - O Ida, que chegou a ser um furacão de categoria 2, perdeu força nesta terça-feira e se tornou uma depressão tropical depois de atingir o Alabama, nos Estados Unidos.
As plataformas petrolíferas no Golfo do México começavam a retomar suas atividades depois de suspendê-las devido à tempestade.
O Ida tocou o solo dos Estados Unidos pela primeira vez às 9h40 (horário de Brasília) em Dauphin, ilha em frente ao litoral de Mobile, no estado do Alabama. Provocou chuvas no continente, onde foram registrados pequenas inundações e rápidos cortes de energia.
"O Ida perdeu suas características tropicais e é esperado que seus ventos diminuam lentamente durante o próximo dia", indicou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (CNH, na sigla em inglês), sediado em Miami.
Os ventos do Ida haviam reduzido sua velocidade até chegar a cerca de 55 quilômetros por hora, e o CNH comentou que todos os alertas tinham sido suspensos.
O Ida provocou chuvas sobre Birmingham, Alabama e Atlanta, mas estava previsto que perderia força em seu caminho rumo ao leste, em direção à Flórida.
A tempestade tropical interrompeu na segunda-feira quase 30 por cento da produção de petróleo, mas especialistas em energia anteciparam que a região do Golfo do México voltará à normalidade entre a tarde desta terça-feira e a manhã de quarta.
As fortes chuvas do Ida provocaram inundações e deslizamentos de terra que deixaram pelo menos 144 mortos em El Salvador no fim de semana, segundo o governo local.
O Ida representou a primeira ameaça séria da temporada de furacões do Atlântico de 2009 ao Golfo do México e à produção de petróleo e gás natural existente na região.
(Reportagem adicional de José Cortazar e Michael O'Boyle em Cancún, de Nelson Rentería em San Salvador, de Ivan Castro em Manágua, de Erwin Seba em Houston e de Pascal Fletcher em Miami)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters