Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Procuradora Gail Furness durante teleconferência em Roma com cardeal australiano George Pell, que segura uma bíblia. 29/02/2016 REUTERS/Jeremy Piper-Oculi/Handout via Reuters/Files

(reuters_tickers)

Por Byron Kaye

SYDNEY (Reuters) - A Igreja católica da Austrália pagou 276 milhões de dólares australianos, o equivalente a 213 milhões de dólares, em indenizações a milhares de pessoas que foram vítimas de abusos sexuais desde 1980, segundo informações dadas a uma comissão de inquérito do governo nesta quinta-feira, na primeira vez em que o valor total de compensações pago às escolas, orfanatos e residências da igreja foi revelado.

O relatório de uma comissão real a respeito de abusos institucionais disse que 3.066 vítimas receberam alguma forma de indenização de um organismo católico nos 35 anos transcorridos até 2015.

Os pagamentos em dinheiro no valor de 258,8 milhões de dólares australianos representaram uma média de 91 mil dólares australianos por pessoa. Parte das reparações não foi paga em dinheiro.

A instituição que desembolsou mais foi a ordem global Irmãos Cristãos, que pagou 45,5 milhões de dólares australianos a 763 pessoas, uma média de 61 mil dólares australianos por pessoa. Os jesuítas pagaram mais por querelante – em média, 257 mil dólares australianos por pessoa.

O tempo médio entre o abuso e a apresentação da queixa foi de 33 anos, disse a procuradora Gail Furness no relatório, acrescentando que "muitos sobreviventes enfrentam barreiras que os desestimulam a relatar o abuso às autoridades e à instituição na qual o abuso ocorreu".

Reuters